Fish

2 de agosto de 2010

Teoria da Adaptação segundo Callista Roy

Em pauta...
Homem em adaptação como Homem: Ser social, mental, espiritual e físico, afetado por estímulos do ambiente interno e externo
Saúde: Capacidade do individuo para adaptar-se a mudanças no ambiente.
Ambiente: Forças internas e externas em um estado de contínua mudança.
Enfermagem: Arte humanitária e ciência em expansão que manipula e modifica os estímulos de modo a promover e facilitar a capacidade adaptativa do homem.

Explicando com mais detalhes...

Callista Roy trabalha com 05 elementos essenciais no seu modelo de adaptação:
  1. A Pessoa que recebe o Cuidado de Enfermagem - Análise da pessoa de forma holística e adaptativa devido à constantes mudanças de ambientes externos e internos. E o nível de adaptação do individuo é reflexo da variação de estímulo, são eles: Estímulo Focal - enfrentam de maneira imediata a pessoa, por exemplo a dor; Estímulo Conceitual - são todos os outros estímulos do mundo interno e externo que influenciam a situação, por exemplo: idade, peso, pressão arterial, temperatura etc; Estímulo Residual - estão presentes e são relevantes à situação incluindo a história da pessoa, por exemplo: alcoolismo, fumo. E através dos estímulos que o enfermeiro pode observar, medir, relatar o modo adaptativo a ser aplicado; Modos Adaptativos: Fisiológico (corresponde as funções fisiológicas relacionadas ao ser: oxigenação, nutrição, eliminação etc), Autoconceito (identifica padrões de valores, crenças e emoções, exemplos: depressão, confusão de identidade),  Função da Papel (Identifica os padrões de interação social da pessoa, exemplo: alteração no processo familiar), Interdependência (identifica padrões de valor humano , de afeição, amor, exemplo: isolamento social).
  2. Metas de Enfermagem: Promover respostas adaptativas em relação ao modos adaptativos.
  3. As Atividades de Enfermagem: envolve a manipulação dos estímulos de modo a promover reações adaptativas.
  4. Saúde: é o processo de tornar-se integrado e capaz de alcançar as metas de sobrevivência, crescimento, reprodução e controle.
  5. Ambiente: são todas as condições, circunstâncias e influências que cercam e afetam o desenvolvimento e comportamento de pessoas e grupos.
Enviem comentários ou troca de experiência!!!
Obrigada...

11 comentários:

  1. OLÁ MOÇA,ESTOU ESTUDANDO ESSE ASSUNTO DA FACUL,PORÉM NÃO CONSIGO ACHAR UM EXEMPLO PRÁTICO,DESSA TEORIA..
    QUAL SERIA,UMA EXEMPLO PRÁTICO?

    ResponderExcluir
  2. Oi Heloisa. Um exemplo prático: eu trabalho com diabetes, imagine que trabalho com um diabético obeso e fumante há 20 anos. Ele precisa emagrecer com dietas e atividade fisica, e é claro parar de fumar. Como faço para adaptá-lo a sua nova realidade? Pois se ele quer continuar vivendo, necessita agir, certo? Mas é claro que não vou, força-lo e proibi-lo de tudo, mas vou tentar sensibilizá-lo através da sua realidade, nunca esquecendo de por metas nesta fase de adaptação e educação em saúde. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Fabiana!
    Gostaria de saber outro exemplo prático sobre o teoria: o modelo de adaptação de Roy.

    Abraços,

    Naia

    ResponderExcluir
  4. Olá Naia, outro exemplo é aquele paciente que se descobre hipertenso e terá que tomar dois remédios, ele terá que adaptar sua vida, seus horarios; não esquecendo da dieta, o que envolve adaptação da familia...Bj

    ResponderExcluir
  5. oi Fabiana.
    estou montando um seminario sobre a teoria da adaptação...esse assunto esta um pouco confuso pra mim, não sei por onde começar.gostaria de saber se essa adaptação é do enfermeiro para com o paciente. poderia tentar explicar melhor pra mim.Ficarei muito agradecida.
    abraços
    gorete

    ResponderExcluir
  6. Olá Gorete! A adaptação é do cliente. Como será realizada esta adapatação depende do que ele precisa adaptar. Por exemplo: dor. Como adaptar alguém que está com dor? Cuidados paliativos seria uma opção. Teria mais alguma sugestão para adaptar, por ex., um cliente com cancer e sua dor?
    Obrigada, aberta a discussão e reflexão sobre estas teorias e nossa realidade.Abraço!
    Fabiana

    ResponderExcluir
  7. Moça.. preciso de um favor.. ja bri vários sites e não entendo se essa Callista Roy é homem ou mulher??

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Estou estudando esse assunto na faculdade.
    Terei de fazer um seminario sobre esse assunto, e tive umas ideias para peencher o tempo e torna a apresentação interessante.Pensei em fazer um telejornal, apresentção de slids e uma dramatização.
    No telejornal pensei em criar uma noticia que tivesse haver com teoria e colocar uma reportagem como exemplo;no slide pensei em mostrar a teoria, falar como ela funciona e sobre a enfermaeira Callista; e na dramatização mais um exemplo pratico.
    Por favor, me diga o que achou de minhas ideias, e me dê também algumas sujestões de exemplos praticos.
    Desde já, obrigada! Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi preciso da tua ajuda. =/
    Estou fazendo uma resenha, a partir do artigo cientifico " SAE ao portador de Diabetes Mellitus e Insuficiência Renal Crônica, publicado na REBEn 2011, volume 64, nº1.
    Tenho que fazer uma reflexão, que já estou até tentando fazer, mas ta complicado de achar um argumento que faça mais sentido frente as dificuldades enfrentadas pela equipe de enfermagem.
    A gente sabe que dificuldades existem e não são poucas, mas será que a teoria de Callista Roy, assim como a teoria NHB proposta por Wanda Horta, seriam algumas das saidas para ajudar os enfermeiros facilitando a eles a implementação da SAE, ou elas não conseguem por sí só com seus métodos, auxiliare-nos?

    Obrigado pela ajuda desde já...
    até vou deixar meu email, se caso aparecer outro enfermeiro, ou se você mesmo se interessar por me ajudar de forma mais próxima... eu sou do Rio Grande do Sul, estudo na Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC, não sei se alguem aqui ja ouviu falar dela..mas enfim.. obrigadão moça. :)

    ResponderExcluir
  10. Ola sou Elizabeth Ferreira estudante de enfermagem estou cursando o 2º período e tá um pouco complicado entender tantas teorias!

    ResponderExcluir